CTI do Hospital Albert Einstein - Grupo de Suporte em Infecção

Pneumonia  Associada a  Ventilação Mecânica

Diagnóstico

Tratamento

Classificação da gravidade

Acompanhamento

Antibioticos e doses

Referência

Volta a infecto

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 

.

.

.

.

.

Diagnóstico

·        Clínico: usar mudança de RX, aspecto de secreção, relação P02/Fi02, febre e leucocitose / leucopenia. CT aumenta sensibilidade e especificidade mas deve ser solicitada apenas após discussão com o médico assistente em casos individuais.

·        Lavado bronco-alveolar x secreção traqueal: usar cultura qualitativa de secreção traqueal para confirmação do diagnóstico e ajuste do tratamento. Não deve-se aguardar o resultado da cultura para iniciar o tratamento com antibióticos.

·        A negativação da cultura de secreção traqueal não deve ser usada para controle da eficácia do tratamento. 

·        Na evidência de piora do quadro clínico devido a pneumonia com o tratamento ajustado pelo resultado da secreção traqueal, o exame deve ser repetido e o tratamento trocado empiricamente

·        Usar broncoscopia ou biópsia a céu aberto para diagnóstico de pneumonia associada a ventilação mecânica apenas em grupos especiais de imunodeprimidos como transplantes e AIDS, ou quando houver suspeita de agentes não convencionais.

·        Considerar broncoscopia com lavado broncoalveolar para pacientes com pneumonia hospitalar fora de ventilação mecânica 

Volta ao topo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Classificação da gravidade das penumonias

 

 Considerar pneumonia grave de acordo com os seguintes critérios

Admissão na UTI e necessidade de ventilação invasiva ou não invasiva em função da pneumonia

Piora da relação P02/Fi02 em pacientes já em ventilação mecânica

Rápida deterioração radiológica ou padrão multilobar

Pneumonia associada a sepse grave ou choque séptico

.

Volta ao topo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 Acompanhamento

 

O melhor indicador para evolução favorável da pneumonia é a melhora na relação P02/Fi02.

 

Leucograma, febre e resolução radiológica melhoram tardiamente

 

Nova coleta de secreção traqueal deve ser feita somente se não houver melhora do quadro de pneumonia..

.

Volta ao topo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

 

Antibióticos e doses  -  Volta ao topo

Antibióticos citados e doses recomendadas para pacientes com função renal normal

 

Nome genérico

Nome comercial

Dose total diária

Intervalo entre doses

Amicacina

Novamin

15 mg/kg/dia

Dose única

Aztreonam

Azactan

6 a 8 g

6h

Cefepime

Maxcef

2 a 4 g

12h

Ceftazidime

Fortaz

3 a 6 g

8h

Ceftriaxone

Rocefin

2 g

12h

Cefuroxime

Zinacef

4.5 a 6g

8h

Ciprofloxacin

Cipro,Procin

800 mg

12h

Claritromicina

Klaricid

1g

12h

Clindamicina

Dalacin

1.8 a 2.4 g

6h

Gatifloxacin

Tequin

400 mg

1x

Imipenem*

Tienam

2 a 4 g

6h

Levofloxacin

Levaquin, tavanic

500 mg

1x

Linezolid

Zyvox

600 mg

12h

Meropenem

Meronem

3 a 6 g

8h

Piperacilina/Tazobactan

Tazocin

12g

8h

Polimixina B

 

7500 a 12500 u/kg/dia

12h

Quinupristina/Dalfopristina

Synercid

22.5 mg/kg/dia

8h

Vancomicina

Vancocina

2 g

12h

.Volta ao topo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Fonte

American Thoracic Society Guidelines for the Management of Nosocomial Pneumonia

Consenso Brasileiro de Pneumonias em Indivíduos Adultos Imunocompetentes – Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Jornal de Pneumologia 27 (Supl 1) : 1-40, 2001. 

.

Volta ao topo

.

.

.

.

.

.