VENTILAÇÃO MECÂNICA NA CRISE DE ASMA AGUDA

CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS

FATORES DE DESCOMPENSAÇÃO

INDICAÇÃO DE SUPORTE VENTILATÓRIO NÃO INVASIVO

INDICAÇÕES DE SUPORTE VENTILATÓRIO INVASIVO

VENTILAÇÃO MECÂNICA

TERAPIA MEDICAMENTOSA

MONITORIZAÇÃO DURANTE VENTILAÇÃO MECÂNICA

DESMAME

APÓS EXTUBAÇÃO

 

Voltar a Pneumologia

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS

História de broncoespasmo e hiperresponsividade brônquica

Crises de dispnéia com sibilância ou tórax silencioso.

RX: hiperinsuflado ou normal

Excluir disfunção de vias aéreas superiores (estridor laríngeo ou cornagem).

Se necessário = broncoscopia ou laringoscopia.

Voltar

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

FATORES DE DESCOMPENSAÇÃO

Infecção - Virose, sinusite e pneumonia

Exposição a alérgenos

Refluxo Gastro-esofágico

Pneumotórax.

.

Voltar

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

INDICAÇÃO DE SUPORTE VENTILATÓRIO NÃO INVASIVO

Glasgow>12, estabilidade hemodinâmica, sem arritmias ou ICO, sem distensão gástrica, sem secreção copiosa, PaO2/FIO2<300, PaCO2>35 e pH>7,2 e <7,3

Voltar

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

INDICAÇÕES DE SUPORTE VENTILATÓRIO INVASIVO

Glasgow<12, instabilidade hemodinâmica, arritmias ou ICO, distensão gástrica, confusão mental, PCR, hipoxemia( PaO2/FIO2<300), fadiga muscular, PaCO2 com aumento progressivo e ou pH<7,2 (sem melhora ou sem indicação para não invasivo).

Voltar

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

TERAPIA MEDICAMENTOSA

Inicial

Broncodilatadores - Inalação com fenoterol 10-20 gts diluídos em 5 ml de SF até de 15 em 15 minutos 3 vezes
Corticoterapia- Solumedrol 0,5 a 1mg/kg de peso 4 vezes/dia ou solucortef 4 a 6 mg/kg de peso 4xdia.

Manutenção

B2-agonista contínuo via inalatória com inalador do SERVO - 10 a 20 gotas + SF0,9% 5ml de 4/4h e S/N

Corticosteróide endovenoso - Solumedrol 0,5 a 1mg/kg de peso 4 vezes/dia ou solucortef 4 a 6 mg/kg de peso 4xdia. Retirada progressiva conforme melhora clinica - Avaliar uso de corticoide inalatório (Budesonida 0,5 a 1mg 12/12h)

 

Voltar

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

VENTILAÇÃO MECÂNICA

Modo: Pressão controlada ou Pressão de suporte

Nível de pressão: o suficiente para manter VC>350 e FR<24-Iniciar com 20 cmH2O

FR= 8-12 (no modo controlado-sedação com benzodiazepínicos (evitar opióides)

FIO2= suficiente para manter PaO2 entre 80 e 120 mmHg ou SpO2> 95% e < 98%

PEEP= 3 a 5 cmH2O

Manter auto-PEEP < 15 cmH2O

PaCO2 entre 45 e 90 mmHg e pH> 7,15

Repouso muscular 24 hs.

Corrigir distúrbios metabólicos

Voltar

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

MONITORIZAÇÃO DURANTE VENTILAÇÃO MECÂNICA

SpO2, ETCO2, mecânica respiratória: resistência de vias aéreas, Auto-PEEP, hemodinâmicas e arritmias.

Gasometria arterial e RX de tórax diários.

Broncoespasmo refratário: Lavado bronco-alveolar com soro morno, anestesia inalatória com halogenados: supervisão do GAR

Voltar

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

DESMAME

FIO2 < 40%

PEEP<5 ou igual a 5 cmH2O

PH < 7,6 e > 7,3

Broncoespasmo controlado

Resistência de vias aéreas < 20 cmH2O/L/seg

Seguir protocolo de desmame em PSV

Voltar

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

APÓS EXTUBAÇÃO

Manter O2 por máscara, inalação com B2-agonista e corticosteróide endovenoso.

.

Voltar

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.