VENTILAÇÃO MECÂNICA NO DPOC

CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS

Tabagismo importante

Tosse crônica produtiva

Dispnéia e/ou broncoobstrução crônicas

Gasometria com hipoxemia e ou hipercapnia

RX: hiperinsuflação

Sobrecarga câmaras direitas

FATORES DE DESCOMPENSAÇÃO

Infecção, TEP, Pneumotórax, Evolução da doença, ICO, Arritmias, Uso de sedativos /drogas,  Cirurgias abdominais e torácicas, Aspiração.

 

INDICAÇÃO DE SUPORTE VENTILATÓRIO NÃO INVASIVO

Glasgow>12, estabilidade hemodinâmica, sem arritmias ou ICO, sem distensão gástrica, sem secreção copiosa, PaO2/FIO2<300, PaCO2>35 e pH>7,1 e <7,3 - Protocolo BIPAP e PSV.

 

VENTILAÇÃO MECÂNICA

Modo: Pressão controlada ou Pressão de suporte

Nível de pressão: o suficiente para manter VC>350 e FR<28-Iniciar com 20 cmH2O

FR= 12 -15

FIO2= suficiente para manter SpO2> 92%

PEEP= 3 a 5 cmH2O ou 85% do Auto-PEEP

PaCO2 entre 45 e 65 mmHg

Repouso muscular 24 - 48 hs.

Corrigir distúrbios metabólicos e nutricionais

MONITORIZAÇÃO DURANTE VENTILAÇÃO MECÂNICA

SpO2, Hemodinâmica e arritmias, mecânica respiratória, PImax e PEmax, Auto-PEEP. Gasometria arterial e RX de tórax diários.

DESMAME

Seguir protocolo de desmame em PSV